Bruno Caliman ( @calimanbruno ) Instagram Profile

calimanbruno

Bruno Caliman

Poderia estar agora no espaço em um módulo lunar.

  • 1.1k posts
  • 80.7k followers
  • 336 following

Bruno Caliman Profile Information

  •  0  67  22 hours ago
  • Marília vem de Maria, Maria vem de Amor - essa é a etimologia de significado perfeito e nos faz suspirar e acreditar que os nomes que damos aos bebês farão sentido em sua vida. Marília significa amor. 
Marília e esse substantivo assistem filme juntos, comem pipoca, dançam no gelo e  choram no banheiro. 
Marília e o amor são íntimos, ela o leva de motéis de pecado a altares divinos. Conselhos, desejos, destino - ela põe o amor onde quer, pinta como quer, canta como quer. 
Ah, e foi cantando que ela seduziu o tal sujeito “Amor”. Cantou-lhe com uma voz que lembra tapetes persas feitos a mão ao longo de muitos anos e que ficam em paredes pela raridade. 
Uma voz feita à mão, eu diria - e feita pelas mãos divinas, acrescentaria - Marília vem de Maria, Maria vem de amor.
A música brasileira foi atender a porta e era ela, a música brasileira abriu um sorriso como quem convida para entrar e ficar para sempre. Marília entrou com um violão no colo como uma brisa fresca corre debaixo da camiseta em um dia de calor e arrepia a nuca - Marília vem de Maria, Maria vem de Amor - Se amar é sofrer, imagina não amar? Imagina Marília, uma mesa de bar, uma jovem na cama, um casal na cama; imagina um rádio a pilha. Ela estará cantando o amor, o amor que vem de Maria que vem de Marília.  @mariliamendoncacantora
  • Marília vem de Maria, Maria vem de Amor - essa é a etimologia de significado perfeito e nos faz suspirar e acreditar que os nomes que damos aos bebês farão sentido em sua vida. Marília significa amor.
    Marília e esse substantivo assistem filme juntos, comem pipoca, dançam no gelo e choram no banheiro.
    Marília e o amor são íntimos, ela o leva de motéis de pecado a altares divinos. Conselhos, desejos, destino - ela põe o amor onde quer, pinta como quer, canta como quer.
    Ah, e foi cantando que ela seduziu o tal sujeito “Amor”. Cantou-lhe com uma voz que lembra tapetes persas feitos a mão ao longo de muitos anos e que ficam em paredes pela raridade.
    Uma voz feita à mão, eu diria - e feita pelas mãos divinas, acrescentaria - Marília vem de Maria, Maria vem de amor.
    A música brasileira foi atender a porta e era ela, a música brasileira abriu um sorriso como quem convida para entrar e ficar para sempre. Marília entrou com um violão no colo como uma brisa fresca corre debaixo da camiseta em um dia de calor e arrepia a nuca - Marília vem de Maria, Maria vem de Amor - Se amar é sofrer, imagina não amar? Imagina Marília, uma mesa de bar, uma jovem na cama, um casal na cama; imagina um rádio a pilha. Ela estará cantando o amor, o amor que vem de Maria que vem de Marília. @mariliamendoncacantora

  •  0  93  9 July, 2020
  • Arnaldo morreu, foi para o céu e lhe disseram que Deus o receberia em 10 minutos. Arnaldo morreu com 80 anos e suas mãos enrugadas suavam, seu coração palpitava e sua respiração estava profunda como nunca naquela simples sala de espera. Então, ele apertou forte na mão seu crucifixo e começou a ensaiar seu discurso:
Li sua palavra, Senhor, e espero tê-la interpretado bem. Será que está bom isso? - se perguntou em voz alta - e continuou:
Comecei a trabalhar cedo para ajudar minha amada mãe e meus queridos irmãos. 
Conheci uma mulher e a amei mais que tudo na vida. Fui fiel a nossos votos de casamento. 
Criei meus amados filhos sobre seus ensinamentos, suas leis e seus princípios. 
Me dediquei ao trabalho com paixão e empenho por toda vida... Honrei meus pais, amei meus amigos e amei os mais pobres.
Então, Deus apareceu e lhe abriu os braços com um sorriso acolhedor.
Arnaldo encheu os olhos d’água e o abraçou forte.
E Deus lhe disse ao pé do ouvido:
_ Arnaldo, meu filho,  estou curioso pra saber das coisas que você fez para as pessoas...
Arnaldo, ansioso, se adiantou:
_ O Senhor acredita que eu estava pensan...
E Deus completou:
_ ... para as pessoas que você não amava.

(Caliman)
  • Arnaldo morreu, foi para o céu e lhe disseram que Deus o receberia em 10 minutos. Arnaldo morreu com 80 anos e suas mãos enrugadas suavam, seu coração palpitava e sua respiração estava profunda como nunca naquela simples sala de espera. Então, ele apertou forte na mão seu crucifixo e começou a ensaiar seu discurso:
    Li sua palavra, Senhor, e espero tê-la interpretado bem. Será que está bom isso? - se perguntou em voz alta - e continuou:
    Comecei a trabalhar cedo para ajudar minha amada mãe e meus queridos irmãos.
    Conheci uma mulher e a amei mais que tudo na vida. Fui fiel a nossos votos de casamento.
    Criei meus amados filhos sobre seus ensinamentos, suas leis e seus princípios.
    Me dediquei ao trabalho com paixão e empenho por toda vida... Honrei meus pais, amei meus amigos e amei os mais pobres.
    Então, Deus apareceu e lhe abriu os braços com um sorriso acolhedor.
    Arnaldo encheu os olhos d’água e o abraçou forte.
    E Deus lhe disse ao pé do ouvido:
    _ Arnaldo, meu filho, estou curioso pra saber das coisas que você fez para as pessoas...
    Arnaldo, ansioso, se adiantou:
    _ O Senhor acredita que eu estava pensan...
    E Deus completou:
    _ ... para as pessoas que você não amava.

    (Caliman)

  •  0  17  9 July, 2020
  •  0  21  8 July, 2020
  •  0  31  7 July, 2020
  •  0  83  6 July, 2020
  •  0  26  5 July, 2020
  •  0  48  3 July, 2020
  •  0  27  2 July, 2020
  • Certa noite, antes de dormir, um homem com o coração partido e pouca fé experimentou contar para Deus tudo que lhe afligia. Horas depois, sem perceber alguma resposta, conseguiu dormiu.
No sonho, ele andava por um deserto de areia abrasadora que estragava rapidamente as solas de seus sapatos fazendo seus pés queimarem. Até que ele encontrou um outro homem no meio do deserto morando em uma pequena cabana: 
_Amigo, meus pés estão ardendo em fogo. As solas dos meus calçados já estão gastas, o que faço? 
_Entre na minha tenda, toma um pouco d’Água e ponha os meus sapatos nos seus pés. Ande com eles pelo deserto até encontrar algo que mate a sua outra sede. Volte quando os meus sapatos estiverem muito quentes. Enquanto isso concerto o seus - propôs o Homem da cabana.
E assim ele fez, calçou os sapatos com solas novas, andou pelo deserto e voltou quando esses já estavam gastos. -Não encontrei nada. Reclamou.
-Calma, existem desertos maiores que outros, mas em algum lugar irá encontrar o que procura. Amanhã você vai caminhar com seus sapatos, e quando eles esquentarem, volte para pegar os meus mais uma vez.
E assim eles fizeram por alguns dias. Até que o homem encontrou uma pequena vila à beira de um lago. Antes que a euforia o levasse a refrescar os pés na água, lembrou do Homem da cabana e voltou para devolver seus sapatos. -Amigo, vim lhe agradecer pela bondade que teve comigo. Achei o que vai matar minha sede. Vim lhe devolver seus sapatos. 
O Homem da cabana sorriu e disse:
_Sabia que encontraria, mas os sapatos que você está usando são os seus - explicou.
_Desculpa, trocamos tantas vezes que eu realmente me confundi. Sorriu e foi embora. 
O homem angustiado e infeliz acordou  mais tranquilo e entendeu que 
Deus é o Homem na cabana. Deus troca o coração dele pelo seu; no outro dia você retorna, entrega o dele e pega o seu coração reconstruído de volta, como no sonho o Homem da cabana fizera com os sapatos. 
Deus fará isso até você não conseguir mais distinguir entre o seu coração e o dele, até você andar pelo deserto da vida e encontrar algo que mate toda sua sede. (Caliman)
  • Certa noite, antes de dormir, um homem com o coração partido e pouca fé experimentou contar para Deus tudo que lhe afligia. Horas depois, sem perceber alguma resposta, conseguiu dormiu.
    No sonho, ele andava por um deserto de areia abrasadora que estragava rapidamente as solas de seus sapatos fazendo seus pés queimarem. Até que ele encontrou um outro homem no meio do deserto morando em uma pequena cabana:
    _Amigo, meus pés estão ardendo em fogo. As solas dos meus calçados já estão gastas, o que faço?
    _Entre na minha tenda, toma um pouco d’Água e ponha os meus sapatos nos seus pés. Ande com eles pelo deserto até encontrar algo que mate a sua outra sede. Volte quando os meus sapatos estiverem muito quentes. Enquanto isso concerto o seus - propôs o Homem da cabana.
    E assim ele fez, calçou os sapatos com solas novas, andou pelo deserto e voltou quando esses já estavam gastos. -Não encontrei nada. Reclamou.
    -Calma, existem desertos maiores que outros, mas em algum lugar irá encontrar o que procura. Amanhã você vai caminhar com seus sapatos, e quando eles esquentarem, volte para pegar os meus mais uma vez.
    E assim eles fizeram por alguns dias. Até que o homem encontrou uma pequena vila à beira de um lago. Antes que a euforia o levasse a refrescar os pés na água, lembrou do Homem da cabana e voltou para devolver seus sapatos. -Amigo, vim lhe agradecer pela bondade que teve comigo. Achei o que vai matar minha sede. Vim lhe devolver seus sapatos.
    O Homem da cabana sorriu e disse:
    _Sabia que encontraria, mas os sapatos que você está usando são os seus - explicou.
    _Desculpa, trocamos tantas vezes que eu realmente me confundi. Sorriu e foi embora.
    O homem angustiado e infeliz acordou mais tranquilo e entendeu que
    Deus é o Homem na cabana. Deus troca o coração dele pelo seu; no outro dia você retorna, entrega o dele e pega o seu coração reconstruído de volta, como no sonho o Homem da cabana fizera com os sapatos.
    Deus fará isso até você não conseguir mais distinguir entre o seu coração e o dele, até você andar pelo deserto da vida e encontrar algo que mate toda sua sede. (Caliman)

  •  0  49  30 June, 2020
  •  0  64  28 June, 2020
  • Há um momento antes do beijo que nos despedimos do mundo, abandonamos nossa consciência e mergulhamos . Você puxa o último fôlego, o último punhado de ar e seus olhos fecham como uma noite sem lua, pois a noite não está em seus olhos, está em seus pés.
Sua boca está mais seca do que deveria estar, mas sua alma está inundada. Os lábios da pessoa tocam no seu e você ouve uma canção. Seus músculos cedem, sua boca abre e seu mundo fecha para todo resto. Sua pele se da conta de si e sente a pressão do corpo da pessoa no seu. “Me aperte mais” seu libido escapa. 
A temperatura da boca da pessoa é diferente da sua - o sabor é de uma fruta que você não lembra o nome e nunca vai lembrar. Seu coração dispara dando ordens que você não escuta. Os dentes ameaçam os lábios, as línguas dançam como dançarinos de Kizomba: as vezes como serpentes, as vezes como nuvens.
 O coração insiste, agora sim você está ouvindo, mas é o coração da pessoa. Isso te deixa segura para voltar à superfície e tomar outra dose de ar. Os dentes se chocam e os lábios sorriem. Ver o sorriso de alguém é lindo, mas beijar o sorriso de alguém é voar. O beijo termina como um filme perfeito, você olha para os lados como quem desce de um trem voador na cidade mais linda que você já viu. Será que alguém viu isso? Há estrelas e perfeição em tudo que você olha. 
No primeiro segundo após o primeiro beijo, você prova dos próprios lábios como quem raspa o pote do sorvete que ama, você fica um pouco tonta, esquecera de tomar o ar pela terceira vez. Você se recompõe, o mundo aparece, seus pés tocam o chão e você deseja a mesma sensação de um segundo antes, como quem compra outro bilhete assim que desce de uma roda gigante. (Caliman)
  • Há um momento antes do beijo que nos despedimos do mundo, abandonamos nossa consciência e mergulhamos . Você puxa o último fôlego, o último punhado de ar e seus olhos fecham como uma noite sem lua, pois a noite não está em seus olhos, está em seus pés.
    Sua boca está mais seca do que deveria estar, mas sua alma está inundada. Os lábios da pessoa tocam no seu e você ouve uma canção. Seus músculos cedem, sua boca abre e seu mundo fecha para todo resto. Sua pele se da conta de si e sente a pressão do corpo da pessoa no seu. “Me aperte mais” seu libido escapa.
    A temperatura da boca da pessoa é diferente da sua - o sabor é de uma fruta que você não lembra o nome e nunca vai lembrar. Seu coração dispara dando ordens que você não escuta. Os dentes ameaçam os lábios, as línguas dançam como dançarinos de Kizomba: as vezes como serpentes, as vezes como nuvens.
    O coração insiste, agora sim você está ouvindo, mas é o coração da pessoa. Isso te deixa segura para voltar à superfície e tomar outra dose de ar. Os dentes se chocam e os lábios sorriem. Ver o sorriso de alguém é lindo, mas beijar o sorriso de alguém é voar. O beijo termina como um filme perfeito, você olha para os lados como quem desce de um trem voador na cidade mais linda que você já viu. Será que alguém viu isso? Há estrelas e perfeição em tudo que você olha.
    No primeiro segundo após o primeiro beijo, você prova dos próprios lábios como quem raspa o pote do sorvete que ama, você fica um pouco tonta, esquecera de tomar o ar pela terceira vez. Você se recompõe, o mundo aparece, seus pés tocam o chão e você deseja a mesma sensação de um segundo antes, como quem compra outro bilhete assim que desce de uma roda gigante. (Caliman)

  •  0  61  28 June, 2020